Rhapsody se apresenta em Curitiba

Surgida em 1997, a banda italiana Rhapsody passou a ser aclamada em todo o mundo projetando-se no universo do power metal sinfônico, vertente que agrega um heavy metal rápido a sonoridades épicas e orquestrais, embalado por letras inspiradas em sagas medievais. Esta banda ícone do estilo reuniu sua formação original para a turnê de despedida Rhapsody 20th Anniversary Farewell Tour, que passa por Curitiba em 12 de maio (sexta-feira), em única apresentação na Ópera de Arame. Os ingressos já estão à venda.

 


Nesta ocasião, estarão no palco os músicos que fizeram parte da formação clássica: Fabio Lione (atualmente vocalista da banda brasileira de heavy metal Angra e de mais duas bandas italianas), Luca Turilli, Dominique Leurquin (guitarras), Patrice Guers (baixo) e Alex Holzwarth (bateria). Para os fãs brasileiros, será a única (e também a última) chance de ver esta banda ao vivo.

A atual turnê celebra o aniversário de 20 anos de lançamento do segundo álbum da banda, o aclamado “Symphony Of Enchanted Lands”. O repertório contará com todas as músicas deste disco e também com outros clássicos da trajetória do Rhapsody. Será a oportunidade de conferir ao vivo todas as músicas de “Symphony Of Enchanted Lands”, incluindo “The Dark Tower Of Abyss”, “Beyond The Gates Of Infinity” e “Wings Of Destiny”, que nunca foram tocadas ao vivo antes.

Ao todo, a banda fará seis apresentações no Brasil, passando também pelas capitais Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Florianópolis e Belo Horizonte. A apresentação em Curitiba (penúltima escala brasileira da turnê) tem produção da Top Link, Planeta Brasil e 302 Produções.

Power metal sinfônico
Rhapsody é lembrada como uma das principais bandas do mundo a aliar o power metal (uma subdivisão do heavy metal influenciada pelo acelerado speed metal, o que lhe confere uma sonoridade mais rápida) com referências a música clássica e barroca, com narrações líricas e letras que geralmente tratam de temas típicos das sagas medievais, como a luta entre e o bem e o mal, batalhas, guerreiros, donzelas e seres fantásticos como dragões e anjos.

Entre as principais referências do grupo, podem ser citados os livros de J.R.R. Tolkien (autor da saga “O Senhor dos Anéis”) e compositores clássicos como Beethoven, Vivaldi, Dvorák e Paganini.

É interessante citar que o Rhapsody teve a oportunidade de contar com a participação do Christopher Lee (1922 - 2015) em um de seus trabalhos. O célebre ator que interpretou o mago Saruman nos filmes da trilogia “O Senhor dos Anéis” foi o narrador das histórias do álbum "Symphony Of Enchanted Lands part II" e participou do videoclipe da música "The Magic of the Wizard's Dream".

Serviço:
Show com Rhapsody - 20th Anniversary Farewell Tour

Data e horário: 12 de maio (sexta-feira) às 20 horas
Local: Ópera de Arame (Rua João Gava, 874 – Abranches (Curitiba, PR)
Ingressos à venda nas lojas Túnel do Rock, Dr. Rock Centro, Hand & Made Music Shop e Monstros do Rock, e pelo site www.ticketbrasil.com.br. Plateia: R$ 80 (meia) e R$ 160 (inteira). Plateia Premium: R$ 115 (meia) e R4 230 (inteira).
Classificação: 14 anos (menores somente acompanhado do responsável, é necessário levar documento de identidade)
Telefones para informações: (41) 3362-1302 / 99222-0316
Página do evento no Facebook: http://goo.gl/iSqXK5

 

La La Land: A nostalgia conquista Hollywood

Vencedor de sete estatuetas do Globo de Ouro, o musical é um dos favoritos ao Oscar 2017

imagem release 843217

La La Land – Cantando Estações, dirigido por Damien Chazelle, é um sucesso de bilheteria nos EUA fazendo algo que tem sido muito comum em Hollywood por pelo menos uma década: olhando para trás e repetindo o estilo de filmes já consagrados. Porém, diferentemente dos constantes remakes e produções que repetem fórmulas de antigamente e apagam a criatividade dos tempos atuais, La La Land inova por fazer com que o passado sirva como uma releitura moderna. Assim, o filme dá um novo ângulo para apreciar o presente ao mesmo tempo em que traz a alegria de um musical clássico.

O filme começa com uma das cenas contemporâneas mais habituais de uma cidade grande: o engarrafamento de carros que parece não ter fim. É neste cenário que os personagens principais, Sebastian (Ryan Gosling) e Mia (Emma Stone), se esbarram pela primeira vez. O estresse do trânsito serve como pano de fundo para uma incrível dança e coreografia que traz leveza à cena difícil que é comum na realidade.

imagem release 843147

Cenas de estresse familiares não são as únicas coisas modernas que dão a La La Land um caráter único. Diferentemente de musicais como Cantando na Chuva, que inspirou fortemente o filme, Iphones e outros objetos da vida cotidiana influenciam o romance e aparecem em momentos críticos da história. Mais interessante ainda é que com tudo isso, os lugares de filmagem escolhidos pelo diretor, assim como a bela fotografia da produção e musica cativante, fazem com que o espectador seja transportado para a era de ouro dos musicais. Assim, a inocência de um clássico dá a estas cenas e objetos do dia a dia um novo sentido. Deste modo, ao invés de fazer quem assiste escapar de uma realidade maçante para uma mais colorida de um musical, La La Land mostra que a vida ainda pode ser divertida.  

Como se não bastasse celebrar a alegria de viver no presente, La La Land – Cantando Estações também moderniza o musical clássico dando ao espectador um final surpreendente, que ficará eternizado. Para aqueles que moram nas grandes cidades, enfrentar o tráfego depois de assistir o filme ficará mais fácil, mesmo que momentaneamente. 

* Texto escrito por: Daniel Bydlowski é cineasta brasileiro com Master in fine Arts pela University of Southern of California e doutorando na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. É membro do Directors Guild of America. Trabalhou ao lado de grandes nomes da indústria cinematográfica como Mark Jonathan Harris e Marsha Kinder em projetos com temas sociais importantes. Atualmente, está produzindo Nano Éden, primeiro longa em realidade virtual em 3D. 

Leia também
Capitão Fantástico
Crítica do filme | O Contador
O Vendedor de Sonhos” é sucesso

Última atualização em Seg, 09 de Janeiro de 2017 16:21
 

Apertando a mão de um escritor

Apertei há pouco a mão de um escritor mais antigo.
Não eram mãos comuns. Eram as mãos de um grande escritor.
Suas mãos tocaram as de Clarice. As do Nelson. Até as mãos trêmulas do Bispo do Rosário.
E tocaram as minhas, as mãos de um desconhecido.
Não era um escritor pop. Não tiramos nenhuma selfie.
Momentos assim ficam guardados
em um lugar que nem o Tempo pode tocar,
um lugar que ele reside e chama de
Inventário das Sombras.
Um escritor de verdade.

 

Diego Gianni

 

Quantum promove hackathon em Curitiba

Evento acontece nos dias 2, 3 e 4 de dezembro, na Universidade Positivo

 

imagem release 809282Evento acontece na Universidade Positivo, em Curitiba 

Nos dias 2, 3 e 4 de dezembro, a Quantum realiza em Curitiba o HaQathon, evento que reúne 60 universitários e jovens com perfil empreendedor na Universidade Positivo. A competição, que está com as inscrições abertas, tem como objetivo debater e criar soluções criativas sobre tecnologia e mobilidade que poderão ser aplicadas no relacionamento da marca de tecnologia com o consumidor final da Quantum, com apoio da Universidade Positivo, CITS - Centro Internacional de Tecnologia de Software, Condor, IBM e Madero. São esperados estudantes e profissionais de áreas de engenharia, design, programação, administração, marketing e publicidade. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no site do evento até o dia 29 de novembro.
Durante todo o desafio, mentores vão se revezar para acompanhar os competidores. "O brainstorm gerado em um hackathon tem tudo a ver com o DNA da Quantum, que está sempre ouvindo o consumidor para desenvolver novas soluções e produtos. Queremos oferecer aos participantes um fim de semana de novas ideias, fomentando a interação com executivos experientes e incentivando o debate sobre inovação e empreendedorismo no Brasil", explica o general manager da Quantum, Marcelo Reis.
 
imagem release 809281
Vinícius Grein, Thiago Miashiro e Marcelo Reis, fundadores da Quantum - Divulgação / Quantum
 

Para o evento, a Quantum lançou um desafio único para que os grupos desenvolvam soluções de tecnologias mobile inéditas para a marca, com o seguinte tema: "Como é possível melhorar a vida das pessoas por meio do uso do smartphone?". As equipes podem apresentar soluções de software, hardware, protótipos, entre outros, que atendam ao desafio. O HaQathon Quantum começa na sexta-feira, 2, com palestras e apresentações da Quantum e detalhes sobre desafio. No sábado, a competição terá início pela manhã e se estende noite adentro. As atividades serão encerradas apenas no início da tarde de domingo, quando as equipes concluírem a entrega dos projetos e a banca de juízes irá avaliar e anunciar o projeto vencedor da competição. A banca, composta por cinco jurados, vai escolher o projeto vencedor, baseada em critérios como inovação, usabilidade e originalidade. Cada integrante da equipe que apresentar o melhor projeto será premiado com um voucher de viagem no valor de R$ 4 mil. 

 

Para mais informações sobre agenda, inscrições, premiação e regulamento, acesse haqathon.meuquantum.com.br.

 

Sobre a Quantum

A Quantum é uma marca de dispositivos móveis, voltada para os usuários que gostam de alta tecnologia e buscam uma compra inteligente. Seu modelo de negócios inovador - com foco principal no meio digital - diminui os elos na cadeia de fornecimento e leva o usuário a outro nível de experiência. Por isso, a escolha do nome Quantum: na física, o mínimo de energia necessária para que um átomo passe de um nível para outro. A proposta de valor da marca é entregar mais por menos. Seus dispositivos são o Quantum GO, o Quantum MÜV e o Quantum FLY, smartphones que podem ser adquiridos por meio de uma plataforma de e-commerce simples e amigável, de lojas on-line, via marketplaces e nos quiosques próprios por todo país, onde também podem ser adquiridos acessórios, entre eles capas e películas para proteger o dispositivo. O MÜV também está à venda no varejo físico e em operadoras de telefonia. A Quantum conta com investimento e suporte da companhia de tecnologia Positivo. Mais informações em www.meuquantum.com.br.

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo (UP) concentra, na Educação Superior, a experiência educacional de mais de quatro décadas do Grupo Positivo. A instituição teve origem em 1988 com as Faculdades Positivo, que, dez anos depois, foram transformadas no Centro Universitário Positivo (UnicenP). Em 2008, foi autorizada pelo Ministério da Educação a ser transformada em Universidade. Atualmente, oferece 56 cursos de Graduação (31 cursos de Bacharelado e Licenciatura e 25 Cursos Superiores de Tecnologia), três programas de Doutorado, quatro programas de Mestrado, centenas de programas de Especialização e MBA e dezenas de programas de Extensão. Em Curitiba, a UP conta com três campus: Ecoville, que ocupa uma área de 424,8 mil metros quadrados, Praça Osório, no centro da cidade, e Mercês - Catarina Labouré. Lançou, em 2013, seu programa de Educação à Distância, com dezenas de polos em todo o país. É considerada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) a melhor universidade privada do Paraná, pelo quarto ano consecutivo. 

 

SERVIÇO

HaQathon Quantum

Desafio: Como é possível melhorar a vida das pessoas por meio do uso do smartphone?

Inscrições: Até o dia 29 de novembro pelo site haqathon.meuquantum.com.br

Data do evento: 2, 3 e 4 de dezembro

Local do evento: Espaço de Eventos Prédio da Pós-Graduação, na Universidade Positivo, em Curitiba (PR)


 

Leia também
Última atualização em Sex, 25 de Novembro de 2016 15:39
 

Quase tudo é risível | Primeiro romance de Cristina Bresser

cristina

 

Em Quase tudo é risível, estamos diante de um daqueles joguinhos de ligar pontos até que, voilà, a imagem do todo apareça. Uma narrativa que dá saltos no tempo e no espaço e que nos sugere as costuras em vez de entregá-las prontas, convidando o leitor para compor o mosaico que formará um corpo coeso à medida que a leitura avance. Trata-se de um desafio estilístico presente tanto na composição macro da obra quanto em seus detalhes sintáticos, uma vez que as convenções da narrativa tradicional são minadas por mudanças súbitas de pontos de vista, transições rápidas entre discurso direto e indireto, e uma pontuação que dá muita fluidez à leitura.

 

Cristina Bresser acompanha a vertigem dos acontecimentos com uma agilidade que, no entanto, não descuida dos detalhes, das minúcias que temperam a ação das personagens, sobretudo da protagonista, mulher cheia de vitalidade que – ironias espalhadas pelo caminho – flertou com a morte. O leitor vai perceber que há uma alegria vicejante no texto, fruto da escolha das palavras, das comparações risíveis, dos disparos surdos deixados no ar pela protagonista com suas frases diretas e muitas vezes desconcertantes. O ritmo frenético da narrativa decorre de uma personagem com sede de vida. Ou vice-versa?

 

Se forma também é conteúdo, podemos dizer que estamos diante de um romance cuja estrutura contribui para a série de encontros e desencontros entre as personagens, para a dinâmica das múltiplas relações que ora se fortalecem e ora se fragilizam, tecendo com habilidade a desordem e o caos que compõem a própria vida.

 

De certo modo, a paixão é quem dá uma unidade latejante a esse Quase tudo é risível, mesmo que – ou melhor, por causa disso – a paixão se relacione tanto com o amor ardente e seu viés mais visível, que é o erotismo, como também com a doença (o pathos grego que origina a patologia) e o sofrimento. Todas essas paixões se encontram aí, à espera do leitor.

Cezar Tridapalli

 

Sobre a autora: 

Cristina Bresser de Campos é paulista radicada em Curitiba. Formada em Comunicação pela UFPR, Proficiency in English - Cambridge University e Certificação Internacional de Coaching. Fluente em inglês, espanhol e francês.

Curso de Escrita criativa em 2013 e oficina Relatos de viagens em 2014, ambos com Otto Leopoldo Winck.

Autora do conto Capitolina, do livro Torre de Papel, publicado em junho de 2015.

 

Frequentou oficina de Romance com Cezar Tridapali e workshop Mundos ficcionais com Thiago Tizzot, na Esc Escola de Escrita, em 2016.

Primeiro prêmio na categoria Contos, no I Concurso Literário do Núcleo Interdisciplinar em Direito e Literatura, Fortaleza, julho 2016.

Em julho e agosto de 2016, recebeu bolsa de estudos e cursou Creative Writing na University of Edinburgh, Escócia.

 

Serviço

Pré-lançamento romance Quase tudo é risível - dia 23/11 na loja To Be Real, 9:30h às 12h e das 17h às 19h 

Lançamento dia 29/11 no Hacienda Café, Rua Prudente de Moraes, 1283 (quase esq. com Carlos de Carvalho) das 18h às 22h.

Dia 05/12 às 19:30h, noite de autógrafos e bate-papo sobre o romance no Centro de Letras de Paranaguá, no Club Literário. Rua Faria Sobrinho, 474. Centro Histórico.

.

*Patrocínio: To Be Real Apoio: Freguesia do Livro. 

**O lucro da venda dos livros vai para o grupo de proteção animal Adote com Consciência

***Em ambos os eventos de autógrafos em Curitiba, haverá arrecadação de ração para o grupo de proteção animal e de livros usados para a Freguesia do Livro.

 

Leia também
Bruno & Marrone e Chitãozinho & Xororó trazem a Curitiba o show “Clássico”

Crítica do filme | O Contador

Kubo e as Cordas Mágicas

Última atualização em Qui, 17 de Novembro de 2016 11:21
 

Espetáculo “Juca Chaves em ritmo de Lava Jato”

Stand up Comedy será apresentado nos dias 11 e 12 de novembro, às 21h, No Teatro Paulo Autran, Shopping Novo Batel

 

Juca Chaves4

 

A turnê do ator e humorista Juca Chaves chega a Curitiba nos próximos dias 11 e 12 de novembro, com apresentações às 21 horas, no Teatro Paulo Autran, no Shopping Novo Batel, Piso C. Não deixando de acompanhar o que está acontecendo no Brasil, Juca apresenta o Stand up Comedy “Juca Chaves em ritmo de Lava Jato”. Ingressos à venda no Diskingressos por R$ 85 (inteira) e R$ 42 (meia entrada, OAB e cartão fidelidade Diskingressos).

 

O gênero já era praticado pelo ator nos anos 60 e, hoje, segue atual e modernizado, satirizando o cotidiano com sutileza e encantando o público com suas modinhas de amor, o Menestrel do Brasil se mostra finalmente em pé.

 

Carreira

Juca foi crítico do regime militar, da grande imprensa e do próprio mercado fonográfico. Chegou a ser exilado em Portugal, na década de 1970, mas, ao incomodar o governo Salazar com suas sátiras, que então ganhavam espaço nas rádios e televisões locais, transferiu-se para a Itália. De volta ao Brasil, apresentou programas de televisão. Na década de 80, lançou sua gravadora independente, Sdruws Records. Um dos seus bordões mais conhecidos é: “Vá ao meu show e ajude o Juquinha a comprar seu caviar”, seguido de sua risada característica.

 

Dentre suas canções mais conhecidas estão: “A cúmplice”, “menina”, “que saudade”, “por quem sonha Ana Maria” e “presidente nossa nova”.

Em 2003, outro sucesso de Chaves nos anos 70, a canção “Take me back to Piaui” foi editada na coletânea “Brasilian Beats Volume 4”, da gravadora britância Mr. Bongo, especializada em música popular brasileira.

Em 2010, comemorou os seus 50 anos de carreira com o “Jubileu de Outo”, cujo espetáculo percorreu o país inteiro.

 

Serviço:

Espetáculo “Juca Chaves em ritmo de Lava Jato”

Stand up Comedy

Dias: 11 e 12 de Novembro

Horário: 21h

 

Leia também

Cléo Busatto é finalista do 58º Prêmio Jabuti | Empoderamento

Ópticas Ipanema Curitiba recebe Roberta Campos

Livro sobre Unidades de Conservação no Brasil

Última atualização em Sex, 04 de Novembro de 2016 14:30
 


Página 1 de 11
Copyright © 2011 Acontece Curitiba. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por LinkWell.