Os Paralamas do Sucesso "Sinais do Sim"

Os Paralamas do Sucesso fazem a estreia da turnê de lançamento do novo disco "Sinais do Sim" em Curitiba. Com concepção artística dos Paralamas e José Fortes, direção de imagens de Batman Zavareze e design de iluminação de Marcos Olívio, a banda apresenta as novas músicas, seus grandes sucessos, como "Alagados", "Meu Erro", "Uma Brasileira", além de canções que estavam há muito tempo fora do repertório, "O amor não sabe esperar", "Mr. Scarecrow" e "Capitão de Indústria" de Marcos e Paulo Sérgio Valle. Com realização da Prime, o show acontece no próximo dia 30 de setembro, no Teatro Positivo (Teatro Positivo – Grande Auditório (R: Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300), às 21h15.

Sinais do Sim é um álbum que, de certa forma, resume a história dos Paralamas, já que há ali muitos elementos que marcaram seus 30 anos. Tem o reggae, ritmo que sempre esteve ligado ao repertório deles; há uma canção em espanhol, que representa a aproximação que eles têm do mercado hispânico, e tem rock'n'roll no álbum, claro.


Os ingressos estão disponíveis e variam de R$75,00 (meia-entrada) a R$230,00 (inteira), de acordo com o setor. Plateia Vermelha - R$230,00 (inteira) e R$120,00 (meia-entrada) / Plateia Azul - R$210,00 (inteira) e R$110,00 (meia-entrada)/ Plateia Amarelo - R$190,00 (inteira) e R$100,00 (meia-entrada)/ Plateia Roxo - R$180,00 (inteira) e R$95,00 (meia-entrada)/ Plateia Laranja - R$160,00 (inteira) e R$85,00 (meia-entrada)/ Plateia Rosa - R$150,00 (inteira) e R$80,00 (meia-entrada)/ Plateia Verde - R$140,00 (inteira) e R$75,00 (meia-entrada). A meia-entrada é válida para estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE) e de câncer.  Portadores do cartão fidelidade Disk Ingressos possuem 20% de desconto na compra de até dois bilhetes por titular. PROMOÇÃO COMBO DO ROCK – Na compra de um ingresso no valor da entrada inteira, o cliente ganha mais um no mesmo setor. Promoções não cumulativas com descontos previstos por Lei. ***Valores sujeitos a alteração sem aviso prévio.****Já está incluso o valor de R$10,00 de acréscimo por bilhete referente à taxa de administração Disk Ingressos. É obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição do beneficiário, na compra do ingresso e na entrada do teatro. Os ingressos podem ser adquiridos através do Disk Ingressos (Loja Palladium - de segunda a sexta, das 11h às 23h, aos sábados, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h, -  e quiosques instalados nos shoppings Mueller e Estação de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h)Call-center Disk Ingressos (41) 33150808 (de segunda a sexta, das 9h às 22h, e aos domingos, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Positivo (de segunda a sexta, das 9h às 21h, e aos sábados, das 9hs às 18hs), na bilheteria do teatro Guaíra (de terça a sábado, das 12h às 21h)  e pelo portal www.diskingressos.com.br.

Esperança e experiência

Já passaram mais de 30 anos desde que Os Paralamas do Sucesso queriam tocar na capital. Após centenas de capitais e cidades ao redor do mundo, Sinais do Sim é lançado para confirmar o que todos sempre souberam: Herbert Vianna, Bi Ribeiro, João Barone e seus parceiros de banda e de vida são infinitos. Tal longevidade em um país como o nosso – e de uma banda, inteira, não apenas de um nome sobrevivente – é uma conquista rara. Com este novo trabalho, a fidelidade ao rock brasileiro e universal que eles inventaram permanece impecável. Os três, do começo ao fim.

Essa permanência abriu caminhos para que seus músicos não cessassem de expandir a criatividade. Aliás, com o tempo, tornaram-se cada vez melhores. Em Sinais do Sim essa expansão chega a um patamar renovador com a presença de Mario Caldato Jr. na produção do disco, que trabalhou com Nação Zumbi e Beastie Boys. Sua experiência e qualidade atestada em dezenas de trabalhos ao longo de mais de três décadas ao redor do mundo, com os mais diversos gêneros, faz dele o parceiro perfeito para uma banda que sabe exatamente o que quer e, principalmente, que sempre arrisca um passo além.   

Trabalhar entre a experiência do tempo e o frisson do risco é uma das marcas do disco. Em muitas das faixas, as letras e a pressão do som – pressão, aliás, é uma palavra fundamental ao se ouvir Sinais do Sim – sinalizam uma abertura madura para o novo enquanto horizonte de vida. São 11 canções que nos dão a justa medida entre a experiência da dor e a renovação da esperança. Somos convocados a entender que o sonho é uma saída potente em tempos de medo. O novo, nesse caso, é seguir em frente, fazendo da fragilidade de cada um de nós a força para insistir. Já na capa, a escultura de Barrão nos mostra o quanto de força e leveza se exige para atravessarmos nossas longas estradas.  

Na primeira música, "Sinais do Sim", somos contagiados por essa positividade realista. "Se deixe levar por mim", convoca Herbert, constatando algo que, se pode soar óbvio, ainda é fundamental lembrar: já chegamos até aqui. E se tem uma banda que pode dizer com afeto e certeza algo assim, são Os Paralamas. Esta é a única música em que apenas os três tocam. Uma abertura que confirma o compromisso de amigos com os sins maduros da vida.

A faixa seguinte, "Itaquaquecetuba", traz a formação que se tornou a marca da banda nos anos 1990 e deu identidade única ao seu som. Com os metais de Bidu Cordeiro (trombone) e Monteiro Jr. (saxofone) e os teclados de João Fera temos o time completo que faz a letra de Herbert saltar do jogo de sílabas peculiares de cidades brasileiras para um swing irresistível e pulsante no ir e vir das métricas e divisões.

"Medo do Medo", por sua vez, já surge como um hino contemporâneo. Profecia transatlântica – a música de 2007 é da rapper portuguesa Capicua – temos um diagnóstico afiado do tempo em que Os Paralamas vivem e cantam. Mais uma vez, em meio à escuridão do futuro, a banda cria uma faixa poderosa para acender a luz no fim do túnel. Sua longa lista de medos ancestrais e mundiais ganha intensidade com a escalada de volume dos instrumentos. Os efeitos de Kassin dão a atmosfera claustrofóbica de uma canção que nos faz respirar fundo para mergulhar em uma necessária potência propulsora. Para perdermos nossos medos, precisamos conhecer cada um deles.

A partir de "Não posso mais", música de Nando Reis, a abertura intensa com sonhos, mapas e medos dá lugar ao amor em suas múltiplas dinâmicas que a banda sempre soube explorar. Ainda assim, estamos em um disco que não deixa o ouvinte piscar. Sinais do Sim é um trabalho que nos prende do começo ao fim em seu fio de experiências, relatos, vidas.

"Teu olhar" e "Contraste", quinta e sexta faixas do disco respectivamente, seguem o fluxo romântico da canção anterior, porém, como diz uma das letras, "longe dos clichês". São bem diferentes em suas propostas, mas apontam as desmedidas da paixão – uma outra forma de sonharmos futuros? A primeira é marcada pela presença dos violoncelos de Duo Santoro (Paulo e Ricardo) em diálogo com os teclados de João Fera. Já na segunda, temos a percussão de Pupillo, baterista da Nação Zumbi. A faixa mostra com maestria como Os Paralamas permanecem contemporâneos. Sua qualidade pop é imediata e em poucas audições já é preciso cantá-la com eles.

"Cuando passe el temblor", de Gustavo Cerrati, reforça o longo laço dos Paralamas com o rock latino-americano e, particularmente, com a banda-irmã Soda Stereo. Já "Corredor", com seu clima de blues em beira de estrada (os teclados de Maurício Barros e a guitarra de Herbert confirmam a atmosfera de bar), e "Blow the Wind", são duas músicas que seguem a linha ascendente do disco em suas sonoridades redondas. São músicos que exploram suas melhores habilidades e tornam palpável o prazer que sentimos ali, em qualquer língua.

"Olha a gente aí", décima música, aponta a reta final em celebração. A faixa nos joga pra cima desde o primeiro acorde. Novamente, temos os sonhos, a vontade de respirar e a busca da renovação, temas sugeridos por citações do poema "Ó sino da Minha Aldeia", escrito por Fernando Pessoa em 1913. Herbert consegue articular os versos do poeta com os seus, criando uma rara presença da tradição moderna em meio à divisão do rock.

Para encerrar esse disco conciso, certeiro e potente, "Sempre assim" oferece o relaxamento jamaicano (uma das marcas da banda) para o descanso do ouvinte após a travessia de guitarras, efeitos e acordes firmes de rock setentista. Ainda aqui, na décima-primeira faixa, eles permanecem pregando o sonho. Um sinal que deve ser valorizado em um período com poucas aberturas para isso. O jogo entre esperança e resignação, renovação e maturidade, faz com que terminemos o disco convencidos de que, 35 anos depois, Os Paralamas emitem os fundamentais sinais do sim para o Brasil e o mundo. Um disco que, em muitos aspectos, é a síntese de todos os seus trabalhos anteriores. Mais uma vez, eles mostram o que pouquíssimas bandas podem dizer em alto e bom som: olha a gente aí!

Fred Coelho

Professor de Literatura e Pesquisador da PUC-Rio

Agosto de 2017

Os Paralamas do Sucesso são:

Herbert Vianna (voz e guitarra)

Bi Ribeiro (baixo)

João Barone (bateria e vocais)

João Fera (teclados)

Bidu Cordeiro (trombone)

Monteiro Jr (sax)

SERVIÇO:
PARALAMAS DO SUCESSO – Turnê "Sinais do SIM"
Quando: 30 de setembro de 2017 (Sábado)
Local: Teatro Positivo – Grande Auditório (R. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300) 
Horários:  Abertura do Teatro:  20h15 / Início dos shows: 21h15
Duração do show: 
cerca de 90min
Ingressos:
variam de R$75,00 (meia-entrada) a R$230,00 (inteira), de acordo com o setor. 
Plateia Vermelha - R$230,00 (inteira) e R$120,00 (meia-entrada);
Plateia Azul - R$210,00 (inteira) e R$110,00 (meia-entrada);
Plateia Amarelo - R$190,00 (inteira) e R$100,00 (meia-entrada);
Plateia Roxo - R$180,00 (inteira) e R$95,00 (meia-entrada);
Plateia Laranja- R$160,00 (inteira) e R$85,00 (meia-entrada);
Plateia Rosa - R$150,00 (inteira) e R$80,00 (meia-entrada);
Plateia Verde - R$140,00 (inteira) e R$75,00 (meia-entrada). A meia-entrada é válida para estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE) e de câncer. 
Portadores do cartão fidelidade Disk Ingressos possuem 20% de desconto na compra de até dois bilhetes por titular.
PROMOÇÃO COMBO DO ROCK – Na compra de um ingresso no valor da entrada inteira, o cliente ganha mais um no mesmo setor.
Promoções não cumulativas com descontos previstos por Lei.
 ***Valores sujeitos a alteração sem aviso prévio.
****Já está incluso o valor de R$10,00 de acréscimo por bilhete referente à taxa de administração Disk Ingressos. 
É obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição do beneficiário, na compra do ingresso e na entrada do teatro. 
Forma de Pagamento: Dinheiros e cartões de crédito/débito Visa e Mastercard.
Pontos de Venda: Disk Ingressos (Loja Palladium - de segunda a sexta, das 11h às 23h, aos sábados, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h, -  e quiosques instalado
s nos shoppings Mueller e Estação de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos, das 14h às 20h)Call-center Disk Ingressos (41) 33150808 (de segunda a sexta, das 9h às 22h, e aos domingos, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Positivo (de segunda a sexta, das 9h às 21h, e aos sábados, das 9h às 18h), na bilheteria do teatro Guaíra (de terça a sábado, das 12h às 21h)  epelo portal www.diskingressos.com.br.
**Entrega em domicílio com taxa de entrega.
Classificação etária: Livre
Informações p/ o público: (41) 33150808 / 33173283/ www.maisumadaprime.com.br
Realização: Prime

Última atualização em Qui, 21 de Setembro de 2017 16:08
 

Bruno & Marrone no Acontece Curitiba

A apresentadora do Programa Acontece Curitiba,Claudia Cozzella,esteve este final de semana com os cantores Bruno & Marrone.

Os cantores sertanejos se apresentaram no Teatro Positivo com seu show inédito Ensaio.

Super simpáticos atenderam a apresentadora da Tv Transamérica e contaram sobre o espetáculo e sobre os 30 anos de carreira.

Fique ligado em tudo que Acontece de bacana na cidade no Acontece Curitiba.

Seja mais...Seja Acontece Curitiba.

 

Inverno: o perigo da automedicação

Dores de garganta, rouquidão, gripes, resfriados e todas as ‘ites’, que mais afetam a população no inverno não devem ser tratadas como se fosse uma simples doença ou com automedicação. Esse é um alerta que fazem os médicos otorrinolaringologistas que estão no dia a dia atendendo a população afetada por estes sintomas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as reações adversas a medicamentos representam mais de 10% das internações hospitalares.

 Geralmente as pessoas pensam que é uma situação simples de ser resolvida e compram um remédio achando que logo passa. Mas isso pode só piorar. De acordo com o Dr.  Sergio Maniglia, do Hospital Ipo, geralmente nesses casos as pessoas utilizam remédios que não são adequados nem eficazes e causam muitos efeitos colaterais, podendo a doença ter uma má evolução, com risco de vida para o paciente.

“É muito importante fazer uma avaliação detalhada para ver as características pertinentes a cada situação, como por exemplo se é causada por um vírus ou uma bactéria, se há outros sintomas evidentes e correlatos”, explica Maniglia. Segundo o médico, a automedicação e ainda com o agravante de ser errada, acaba gerando no indivíduo resistência a antibióticos, por exemplo, que depois, se necessário, não faz muito efeito no paciente, e que acaba necessitando de remédios mais caros, mais potentes.

Efeitos colaterais - A otorrinolaringologista Renata Becker, que atende o plantão no Hospital IPO, conta que é muito frequente atender pacientes que começaram com uma dorzinha, não valorizaram, tomaram anti-inflamatório por conta própria e de maneira errada, inclusive chegam com sobrecarga até no rim por muitos remédios.

Renata conta também de muitos casos em que os médicos receitam o antibiótico, o paciente toma um ou dos remédios a menos, não fazendo o tratamento completo, criando uma maior resistência das bactérias. “E para piorar, em uma próxima situação semelhante, tomam um comprimido achando que vai resolver. Só que o medicamento deve ser tomado em dose certa, no horário certo, com indicação certa. Se isso não ocorrer, vai gerando resistência bacteriana”, avalia.

 Sobre o Hospital IPO  -O Hospital IPO é especializado no tratamento de ouvido, nariz e garganta, e conta com uma equipe multidisciplinar de áreas relacionadas à otorrinolaringologia. Atualmente possui o único pronto-atendimento 24 horas da especialidade no sul do País, mais de seis centros de tratamento, estrutura educacional volta para a otorrinolaringologia, mais de 150 médicos atendendo em 20 especialidades e mais de 20 unidades de atendimento no Paraná e Santa Catarina.

O grupo surgiu com união de um grupo de professores de medicina da Universidade Federal do Paraná, em outubro de 1992, para a criação de um centro especializado em otorrinolaringologia, ofertando consultas, exames, procedimentos ambulatoriais e cirúrgicos. Em junho de 2000 inaugurou seu hospital, um edifício de 11 mil metros quadrados, dispostos em 10 andares, localizado em Curitiba, no bairro Água Verde. www.ipo.com

 

 

 

5 passos para colocar as finanças em dia

A falta de planejamento financeiro pode trazer uma consequência desastrosa: as dívidas incontroláveis, que arruínam o orçamento e o bem-estar. Mas organizar as finanças pode se tornar uma tarefa simples, desde que haja um pouco de disciplina e dedicação. A seguir, separei algumas estratégias que podem ajudar. Confira:

  1. 1.Encare os números

É impossível organizar o orçamento sem saber como você está gastando o seu dinheiro. Por isso, é muito importante manter um registro contínuo das despesas. Escolha o método com o qual você tem mais afinidade: pode ser uma planilha ou uma agenda ou um aplicativo de finanças, o importante é não se esquecer de manter os dados atualizados.

  1. 2.Identifique os supérfluos

Com as despesas registradas, é possível reconhecer os supérfluos e enxergar quanto do seu orçamento é comprometido com eles. Sabendo disso, avalie como cortá-los e destine o que for economizado para um fundo de emergência.

  1. 3.Evite parcelar

Os juros do cartão de crédito continuam altíssimos, mesmo depois da nova regra do rotativo. As anuidades e demais taxas também. Se você é daqueles que trabalham para pagar o cartão de crédito, considere a possibilidade de ir diminuindo aos poucos o valor da fatura até se tornar independente desse recurso. Pagando à vista, você ainda pode negociar um desconto nas compras.

  1. 4.Comece a poupar e fazer reservas

Todos nós estamos sujeitos a emergências que podem se tornar grandes despesas. Gastos médicos, reparos em casa e no automóvel são algumas das situações mais comuns, e precisamos estar preparados para não ter de recorrer ao cheque especial, cartões de crédito e empréstimos. Se estabelecer uma reserva for uma dificuldade para você, utilize alguns recursos como o depósito programado em poupança, oferecido pelos bancos. Assim, você guarda dinheiro “sem perceber”. 

  1. 5.Procure opções de investimento

Muitas aplicações rendem mais do que a poupança e podem ser aliadas para quem quer administrar o dinheiro com inteligência. Se o seu perfil é mais conservador, investir em renda fixa é uma possibilidade. Para os que estão dispostos a correr riscos, vale pesquisar sobre ações. O importante é garantir que o seu dinheiro renda e, com ele, traga o que você planeja a curto, médio e longo prazo.

*Dora Ramos é contadora, orientadora financeira e diretora responsável pela Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial, em São Paulo (www.fharos.com.br).

 

Autismo: mitos e verdades

O autismo é um distúrbio neurológico que tem atingido grande número. Estima-se que cerca de 70 milhões de pessoas no mundo foram diagnosticadas com essa condição. Atualmente, ele é denominado transtorno do espectro autista, para melhor exemplificar que as pessoas afetadas pelo autismo apresentam comprometimentos distintos, de grau leve a severo, na capacidade de comunicação, inteligência, imaginação e comportamento.

“Tais dificuldades geram problemas em vários domínios da aprendizagem, comportamento e sociabilização. Em resumo, possuem dificuldades de compreender o mundo que as rodeiam e, para adaptar-se a ele, usam comportamentos compensatórios com padrões próprios, diferentes dos habituais, restringem seus interesses e atividades, realizam atos em padrões repetitivos e estereotipados, muitas vezes sem uma finalidade compreensível para quem as observa”, explica o neuropediatra da Unimed Curitiba Antônio Carlos de Farias.

Segundo ele, os principais sinais precoces envolvem a comunicação não verbal das crianças, como não olhar nos olhos, falta de percepção das emoções do outro, interesse pela face humana menor do que por objetos, falta de reciprocidade na comunicação, dificuldade em usar a linguagem corporal como apontar com o dedo algum desejo, dividir e compartilhar atenção. “Além disso, é importante ficar atento a alterações da percepção sensorial, por exemplo, se a criança se incomoda com ruídos, cheiros, roupas, entre outros”, conta.

Para o especialista a possibilidade de evolução favorável relaciona-se ao diagnóstico precoce e intervenção adequada. Estima-se que 75% das crianças autistas estimuladas precocemente são capazes de falar. “Intervenções cognitivas e comportamentais intensivas associadas à terapia de integração sensorial além de prevenirem comportamentos antissociais, promovem o aprendizado emocional, habilidades primordial para a comunicação e sociabilização. As crianças necessitam de treinamento para aprender como perceber e demonstrar sentimentos e afetos, ao mesmo tempo em que devem ser condicionadas a não desenvolverem comportamentos estereotipados”, ressalta.

Essa reabilitação deve ser planejada, sistematizada, lúdica, continuada porém, não pode ser estressante à criança. As atividades devem ser coerentes com a fase do desenvolvimento em que a criança se encontra e ajustada para sua capacidade cognitiva e as demandas do ambiente. “Medicamentos são necessários quando ocorrem crises convulsivas ou em situações específicas em que a criança apresenta comportamentos como desatenção excessiva e agressividade que interferem na sociabilização e inclusão escolar”, comenta Farias.

O especialista listou abaixo alguns mitos e verdades sobre o autismo. Acompanhe:

O autismo surgiu no século XXI – Mito

O autismo sempre existiu na espécie humana. O que modificou foi o conhecimento e o aprimoramento dos critérios diagnósticos, o que propiciou maior reconhecimento de casos que anteriormente não eram classificados como autismo. Também foi importante a introdução do conceito "espectro autista” para enfatizar que dentro deste “guarda chuva” ocorrem variações de gravidade da doença (leve a severo) envolvendo comportamento, cognição e capacidade de comunicação.

Crianças autistas devem ser mantidas no convívio com outras – Verdade (com ressalvas

É preciso entender o conceito de espectro autista, viabilizar a inclusão de acordo com o perfil da criança. Algumas tem boa capacidade de comunicação e inteligência, podem frequentar ensino regular. Outras possuem grave comprometimento e necessitam cuidados mais individualizados. O importante é que em grau maior ou menor todas podem de alguma maneira ser incluídas.

Crianças autistas são superdotadas – Mito

80% dos casos diagnosticados com autismo possuem deficiência intelectual. Na verdade eles têm boa capacidade de memorizar sequências.

Vacinas causam autismo - Mito

É importante, principalmente para os pais buscarem informações em fonte com credibilidade. Nenhum estudo científico sério comprovou esta hipótese.

Autistas precisam de tratamento comportamental e medicamentos - Verdade

Não existe tratamento especifico para doença, existem intervenções comportamentais (treinamento) especificas para linguagem, comunicação e percepção sensorial. Algumas crianças precisam de medicamentos, mas não todas. Depende se ocorrem agressividade, convulsões, déficit de atenção, ansiedade.

Sobre a Unimed Curitiba: Maior cooperativa de saúde do Paraná e uma das cinco maiores cooperativas do Sistema Unimed Brasil, a Unimed Curitiba foi fundada em 6 de agosto de 1971. Com 45 anos de mercado, reúne mais de 4.300 médicos cooperados e quase 600 mil clientes. “Cuidar da saúde faz a vida valer a pena” é a Missão da Unimed Curitiba, uma cooperativa Feita de Médicos.

 

Ver em casa: Snatch: A Série

 

 

A partir do dia 02 de junho a nova produção Snatch: A Série passa a integrar, com episódios duplos lançados semanalmente, a lista de títulos originais do Crackle, plataforma on demand da Sony Pictures Television Networks. A trama do seriado é inspirada no filme homônimo de Guy Richie – lançado no ano 2000 com atuação de Brad Pitt, Jason Statham e Benicio Del Toro – com histórias inéditas, acompanhando um grupo de londrinos recém-iniciados na vida do crime organizado que precisam aprender a lidar com policiais desonestos, lutadores e mafiosos.  Com 10 episódios na 1ª temporada, a série traz nomes como Rupert Grint (Harry Potter) e Ed Westwick (Gossip Girl).

 

“A estreia é parte dos esforços da empresa em aumentar o portfólio global de produções originais de qualidade do Crackle”, afirma Alberto Niccoli, SVP e GM da Sony Pictures Television no Brasil. “Acreditamos no potencial da série que traz atores renomados, além da produção do showrunner Alex De Rakoff”.

 

O Crackle possibilita o acesso livre de comerciais a conteúdos exclusivos e grandes produções originais. Além de Snatch: A Série, a plataforma passa a disponibilizar em junho os filmes Monstros S.A.; Enrolados; Carnage; O Resgate de um Campeão e O Julgamento de Paris. Com um catálogo completo, séries conhecidas do público como Black-Ish, Marvel’s Agent Carter, Criminal Minds, American Crime e Hannibal; e filmes como Thor, Toy Story 3, Malévola, Homem-Aranha, Homem de Ferro, Piratas do Caribe e Os Vingadores – The Avengers também estrelam o portfólio da plataforma.

 

Rita Vaz

Última atualização em Sex, 02 de Junho de 2017 15:03
 


Página 1 de 33
Copyright © 2011 Acontece Curitiba. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por LinkWell.