Jurassic World: Reino Ameaçado

ib20tuH

Jurassic World: Reino Ameaçado (Foto: Divulgação)

 

 

Com estreia nacional para essa semana, o aguardado “Jurassic World: Reino Ameaçado” chega aos cinemas com uma qualidade muito superior ao seu antecessor. Voltando a entregar à plateia, uma emoção parecida com a encontrada na versão da década de 1990.

 

Três anos depois dos acontecimentos onde novas espécies foram criadas por cientistas na Ilha Nublar, o mundo volta os olhos para a mesma ilha por conta de um vulcão que entra em erupção.

 

Essa erupção provoca uma grande dúvida na população mundial, resgatar os dinossauros da ilha para que não desapareçam novamente da face da Terra, ou o contrário, que sofram as consequências da natureza, que parece, novamente disposta a extinguir esses seres, antes que eles, novamente dominem o planeta, e os humanos desapareçam!

 

População mundial, governos de vários países e empresários milionários, estão todos interessados nessa questão.

 

Jurassik4 768x500

“Jurassic World: Reino Ameaçado” chega aos cinemas com uma qualidade muito
superior ao seu antecessor (Foto: Divulgação)

 

 

Jurassic World Reino Ameaçado Chris Pratt

“Jurassic World: Reino Ameaçado” uma das grandes obras de Steven Spielberg (Foto: Divulgação)

 

Esse é o momento em que os personagens Claire e Owen entram em ação novamente.

 

Afastados por conta de motivos pessoais, eles precisarão trabalhar juntos para, talvez, salvar os animais queridos pelos dois.

 

A história do filme acontece principalmente em dois locais, na ilha e na cidade, onde um milionário tem interesse especial nos dinossauros, (não vou revelar quem). Esse personagem tem motivos maiores para querer que as espécies continuem vivas.

 

O roteiro do longa peca um pouco ao entregar “mais do mesmo”, pois apesar de algumas novidades, a base da história se manteve, ou melhor, se repetiu.

 

O diretor Juan Antonio Bayona conhecido por dirigir obras de terror como “O Orfanato” e a série “Penny Dreadfull” consegue imprimir sua marca com ótimas cenas de suspense e adrenalina.

 

O elenco parece estar mais entrosado nesse filme, o casal principal consegue vender a ideia de “casal” que está separado, mas gostaria de estar junto.

 

Os efeitos especiais continuam um capítulo à parte. A cada dia que passam estão melhores, proporcionando uma experiência única ao espectador, principalmente para o que vai assistir ao longa em 3D.

 

Cheio de referências aos filmes anteriores, o longa é nostálgico, no bom sentido.

 

Com uma bela surpresa no final e um gancho enorme para a sequência, “Jurassic World: Reino Ameaçado” é uma excelente opção de entretenimento para a sua semana!

 

Título Original: Jurassic World: Fallen Kingdom
Gênero: Ação/Ficção Científica
Tempo de Duração: 2 horas e 08 minutos 
Ano de Lançamento: 2018

Direção: Juan Antonio Bayona

Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Rafe Spall, Justice Smith, Daniella Pineda, James Cromwell, Toby Jones, Isabella Sermon, Jeff Goldblum.

RITA VAZ

TUDO SOBRE FILME – www.tudosobrefilme.com.br

Última atualização em Qui, 21 de Junho de 2018 14:51
 

7º Olhar de Cinema anuncia vencedores

Longa-metragem "Homens que Jogam" recebeu o Prêmio Olhar de Melhor Filme

 

Homens que jogam

'Homens que Jogam' ganha de melhor filme. (Foto: Divulgação)

 

Aconteceu hoje (13), a cerimônia de premiação do 7º Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba. O júri da Mostra Competitiva, composto pelo cineasta André Novais Oliveira, a programadora Claire Allouche e o crítico de cinema Roger Koza, elegeu a co-produção eslovena-croata "Homens que Jogam" como o melhor filme desta edição. O longa-metragem brasileiro "Sol Alegria", de Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira, também se destacou entre os selecionados, recebendo um prêmio especial do júri, que ainda concedeu ao filme "Boa Sorte", de Ben Russell, o prêmio de Contribuição Artística.

Dentre os curtas da Mostra Competitiva, o vencedor do Prêmio Olhar foi "A Estranha História do Prince Dethmer", dirigido por Corto Vaclav e Hadrien La Vapeur. "Eles Vêm Aí!", de Ezequiel Reyes, recebeu uma menção especial. Para o público, o melhor filme da Mostra Competitiva foi "Fabiana", da diretora goiana Brunna Laboissière.

Os filmes brasileiros que receberam o Prêmio Olhares Brasil foram o longa "O Chalé É uma Ilha Batida de Vento e Chuva", de Letícia Simões, e o curta "Maré", de Amaranta Cesar. O Prêmio Olhares Brasil 

A cerimônia de premiação aconteceu antes da exibição do longa-metragem "Meu Nome É Daniel", dirigido por Daniel Gonçalves. Confira a lista completa:

Competitiva

Prêmio Olhar de Melhor Filme
HOMENS QUE JOGAM
/ Playing Men
Matjaž Ivanišin

Prêmio Especial do Júri
SOL ALEGRIA
/ Sol Alegria
Tavinho Teixeira, Mariah Teixeira

Prêmio de Contribuição Artística
BOA SORTE
/ Good Luck
Ben Russell

Prêmio Olhar de Melhor Filme Curta-Metragem
A ESTRANHA HISTÓRIA DO PRÍNCE DETHMER
/ L'étrange histoire de Prince Dethmer
Corto Vaclav, Hadrien La Vapeur
*Menção Especial: ELES VÊM AÍ! (¡Allá Vienen!), Ezequiel Reyes

Prêmio do Público
FABIANA
/ Fabiana
Brunna Laboissière

Outros Prêmios

Prêmio de Melhor Filme da mostra Novos Olhares
POR DETRÁS DAS CORTINAS
/ Derrière les Volets
Messaline Raverdy

Prêmio de Melhor Filme da mostra Outros Olhares
NOSSA CASA
/ Watashitachi no ie
Yui Kiyohara

Prêmio Olhares Brasil |Longa (Melhor longa-metragem brasileiro)
O CHALÉ É UMA ILHA BATIDA DE VENTO E CHUVA
/ O Chalé é Uma Ilha Batida de Vento e Chuva
Letícia Simões

Prêmio Olhares Brasil | Curta (Melhor curta-metragem brasileiro)

MARÉ
/ Maré
Amaranta Cesar
*Menção Especial: Estamos todos aqui, Chico Santos e Rafael Mellim

Prêmios Parceiros

Prêmio da Crítica / Abraccine
ANSIOSA TRADUÇÃO
/ Nervous Translation
Shireen Seno

Prêmio AVEC-PR (Melhor curta-metragem da mostra Mirada Paranaense)
ACIMA DA LEI
/ Acima da Lei
Diego Florentino
*Menção Especial: Lui, Denise Kelm

Olhar de Cinema

O Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba acontece de 6 a 14 de junho. O evento, em sua sétima edição, tem como objetivo destacar e celebrar o cinema independente, por meio da seleção de filmes com propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático. 

Ao mesmo tempo em que resgata clássicos do passado, oferecendo a oportunidade do público de descobrir e redescobrir olhares já reverenciados, o festival apresenta ao público novos diretores que, mesmo com uma curta filmografia, possuem forte identidade artística. Dessa maneira, o evento tem a intenção não só de proporcionar ao público experiências cinematográficas singulares, mas também fomentar a reflexão acerca da linguagem e história do cinema.

Paralelamente às exibições, o festival promove o Curitiba_Lab, iniciativa que busca estimular e aprimorar o desenvolvimento de projetos e que, este ano, selecionou nove projetos dentre 70 inscritos. Além disso, serão três oficinas voltadas para animação, som e roteiro, e diversos seminários, que trarão ao debate questões como a distribuição do cinema de autor, crítica e curadoria, representação e representatividade.

O 7º Olhar de Cinema é uma realização da Grafo Audiovisual em parceria como o Ministério da Cultura e conta com o patrocínio BRDE, FSA, Ancine e apoio SESI-PR.

7º Olhar de Cinema anuncia vencedores
Longa-metragem "Homens que Jogam" recebeu o Prêmio Olhar de Melhor Filme


Aconteceu hoje (13), a cerimônia de premiação do 7º Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba. O júri da Mostra Competitiva, composto pelo cineasta André Novais Oliveira, a programadora Claire Allouche e o crítico de cinema Roger Koza, elegeu a co-produção eslovena-croata "Homens que Jogam" como o melhor filme desta edição. O longa-metragem brasileiro "Sol Alegria", de Tavinho Teixeira e Mariah Teixeira, também se destacou entre os selecionados, recebendo um prêmio especial do júri, que ainda concedeu ao filme "Boa Sorte", de Ben Russell, o prêmio de Contribuição Artística.

Dentre os curtas da Mostra Competitiva, o vencedor do Prêmio Olhar foi "A Estranha História do Prince Dethmer", dirigido por Corto Vaclav e Hadrien La Vapeur. "Eles Vêm Aí!", de Ezequiel Reyes, recebeu uma menção especial. Para o público, o melhor filme da Mostra Competitiva foi "Fabiana", da diretora goiana Brunna Laboissière.

Os filmes brasileiros que receberam o Prêmio Olhares Brasil foram o longa "O Chalé É uma Ilha Batida de Vento e Chuva", de Letícia Simões, e o curta "Maré", de Amaranta Cesar. O Prêmio Olhares Brasil 

A cerimônia de premiação aconteceu antes da exibição do longa-metragem "Meu Nome É Daniel", dirigido por Daniel Gonçalves. Confira a lista completa:

Competitiva

Prêmio Olhar de Melhor Filme
HOMENS QUE JOGAM
/ Playing Men
Matjaž Ivanišin

Prêmio Especial do Júri
SOL ALEGRIA
/ Sol Alegria
Tavinho Teixeira, Mariah Teixeira

Prêmio de Contribuição Artística
BOA SORTE
/ Good Luck
Ben Russell

Prêmio Olhar de Melhor Filme Curta-Metragem
A ESTRANHA HISTÓRIA DO PRÍNCE DETHMER
/ L'étrange histoire de Prince Dethmer
Corto Vaclav, Hadrien La Vapeur
*Menção Especial: ELES VÊM AÍ! (¡Allá Vienen!), Ezequiel Reyes

Prêmio do Público
FABIANA
/ Fabiana
Brunna Laboissière

Outros Prêmios

Prêmio de Melhor Filme da mostra Novos Olhares
POR DETRÁS DAS CORTINAS
/ Derrière les Volets
Messaline Raverdy

Prêmio de Melhor Filme da mostra Outros Olhares
NOSSA CASA
/ Watashitachi no ie
Yui Kiyohara

Prêmio Olhares Brasil |Longa (Melhor longa-metragem brasileiro)
O CHALÉ É UMA ILHA BATIDA DE VENTO E CHUVA
/ O Chalé é Uma Ilha Batida de Vento e Chuva
Letícia Simões

Prêmio Olhares Brasil | Curta (Melhor curta-metragem brasileiro)

MARÉ
/ Maré
Amaranta Cesar
*Menção Especial: Estamos todos aqui, Chico Santos e Rafael Mellim

Prêmios Parceiros

Prêmio da Crítica / Abraccine
ANSIOSA TRADUÇÃO
/ Nervous Translation
Shireen Seno

Prêmio AVEC-PR (Melhor curta-metragem da mostra Mirada Paranaense)
ACIMA DA LEI
/ Acima da Lei
Diego Florentino
*Menção Especial: Lui, Denise Kelm

Olhar de Cinema

O Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba acontece de 6 a 14 de junho. O evento, em sua sétima edição, tem como objetivo destacar e celebrar o cinema independente, por meio da seleção de filmes com propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático. 

Ao mesmo tempo em que resgata clássicos do passado, oferecendo a oportunidade do público de descobrir e redescobrir olhares já reverenciados, o festival apresenta ao público novos diretores que, mesmo com uma curta filmografia, possuem forte identidade artística. Dessa maneira, o evento tem a intenção não só de proporcionar ao público experiências cinematográficas singulares, mas também fomentar a reflexão acerca da linguagem e história do cinema.

Paralelamente às exibições, o festival promove o Curitiba_Lab, iniciativa que busca estimular e aprimorar o desenvolvimento de projetos e que, este ano, selecionou nove projetos dentre 70 inscritos. Além disso, serão três oficinas voltadas para animação, som e roteiro, e diversos seminários, que trarão ao debate questões como a distribuição do cinema de autor, crítica e curadoria, representação e representatividade.

O 7º Olhar de Cinema é uma realização da Grafo Audiovisual em parceria como o Ministério da Cultura e conta com o patrocínio BRDE, FSA, Ancine e apoio SESI-PR.

Última atualização em Sex, 15 de Junho de 2018 14:21
 

Gratis: No clima da Copa do Mundo

Atividades, brincadeiras e muita gastronomia inspiradas do mundial de futebol

 

 

                                                    Copa do Mundo 2018

 

Quem passar pelo Mercado Municipal de Curitiba a partir desta quinta-feira
(14) vai entrar no clima da Copa do Mundo 2018.  A Prefeitura de Curitiba
com apoio da SMAB e realizado pela Ascesme - Associação dos Comerciantes
Estabelecidos no Mercado Municipal de Curitiba, programou transmissão dos
jogos quando o Mercado Municipal estiver aberto e também três sábados de
brincadeiras temáticas para curtir em família.

 

O público poderá acompanhar as partidas nas Praça João Snege. Os quatro
restaurantes Fuji, Box, Bonna e Anarco prepararam petiscos alusivos a países
e que terão preço único de R$ 15.90. As opções vão de uramaki (sushi com
aspargo, shitake e camarão empanado) a arancini (bolinho de arroz recheado
com ragu de carne). A primeira transmissão será já na abertura do mundial de
futebol, quinta-feira a partir das 11h30.

 

As crianças também são muito bem vindas. Para elas, a programação inclui
diversas atividades e brincadeiras que serão oferecidas gratuitamente com as
monitoras do projeto Criança na Plateia + Pintando na Calçada. Vai ter
oficina mini chefe gourmet, customização de chapéu Copa 2018, de Matrioska,
de camiseta. Os pequenos também poderão fazer bola de meia, máscara
Zabivaka, participar do camarim de pintura e muito mais. Será dias 16, 23 e
30 de junho das 11h às 15h. Mais detalhes no site
www.mercadomunicipaldecuritiba.com.br

 

Serviço

O que: Copa do Mundo no Mercado Municipal de Curitiba

Onde: Transmissão dos jogos na Praça João Snege e Atividades/Brincadeiras no
Setor de Orgânicos

Quando: de 14 de junho a 13 de julho

Quanto: gratuito

 

Crédito de fotos: Divulgação

Última atualização em Ter, 12 de Junho de 2018 09:46
 

Mas ele deu o mindinho, né?

Era um dia de paz. Aqueles quatro homens se reuniram para isso. Paz. “We are the world” ainda não havia sido composta, mas teria sido perfeita para os quatro ‘bons vivants’ assobiarem.
Era um dia de paz em 1938. Os quatro homens eram Neville (Primeiro-. Ministro do Reino Unido), Benito Mussolini, Adolf Hitler e um político francês cujo nome é dificílimo de escrever. Para efeitos de praticidade, retomemos a crônica no último save point:
Eram três homens. Neville, Benito e Hitler. Era um dia de paz e de metalinguagem em 1938. Conversaram cerca de uma hora e meia sobre o básico: o clima, os impostos, o fim do mundo, etc.
Os três saíram satisfeitos e bonachões do encontro, pois cada um deles havia conseguido o que queria. Benito conseguiu apoio para que as pessoas parassem de chama-lo de facista. Neville conseguiu um tabuleiro do War autografado pelos colegas. E Hitler, o controle efetivo de parte da Checoslováquia - desde que prometesse que seria, naturalmente, a última reivindicação territorial da Alemanha.
- Sieg Heil! Eu prometo! Risos.
Ao final do encontro, os três tiraram uma foto para a Revista Caras (os quatro, na verdade, pois nesse tipo de revista é só a imagem que importa).
Neville pegou um avião da Latam, voltou pra Inglaterra e foi recebido como um herói.
- Viva Neville! Hip, Hip, Hurrah!
Neville fez um discurso lindo. Chamou-o de “paz do nosso tempo”. Acenou com uma folha branca para a multidão. Épico.
Mais tarde, um amigo mais chegado fez uma pergunta estranha a Neville:
- Mas ele deu o mindinho, né?
Neville franziu o cenho. Como assim “deu o mindinho”?
- O mindinho – esclareceu o amigo. – Quando esse tal de Hitler prometeu que ia sossegar a periquita, ele cruzou o dedo mindinho com o seu?
O Primeiro-Ministro ficou pálido. Esquecera-se do mindinho. Habituara-se a usar o mindinho apenas para esticar quando levava uma xícara de chá à boca. Não para fazer um acordo! Não para selar a paz. Não para entrar pra história.
Um ano depois, a falta do mindinho trouxe sua resposta: Hitler ocupou Praga. Hitler não dera o mindinho, o que Neville estava pensando?
Então veio Winston Churchill. Um homem mais interessante, cujo único dedo que estava disposto a usar era o dedo do meio. Churchill amava o som da própria voz, ainda que às vezes não fizesse o menor sentido:
- Se Hitler invadisse o Inferno, eu faria uma referência favorável ao diabo na Câmara dos Comuns!
Pobre Neville. Ele realmente tentou.

Diego Gianni
(05/07/2018)

 

"Comboio de Sal e Açúcar"nos cinemas

                                                     "Comboio de Sal e Açúcar"

 

 

"Comboio de Sal e Açúcar", do premiado diretor Licínio Azevedo, estreia dia a partir de 07 de junho em circuito nacional (listagem e datas abaixo).  O filme é uma produção da Ukbar Filmes (Portugal) e coprodução com  Ebano Multimídia (Moçambique), Le Films de LÈtramger (França), Urucu Media (África do Sul)  e Panda Filmes (Brasil). A distribuição brasileira é feita pela da Livres Filmes.

 

O longa "Comboio de Sal e Açúcar" foi premiado,  em  Los  Angeles,  no  26ºPAFF  –  The  Pan  African  Film  &  Arts  Festival,  em  Fevereiro  de  2018 .  O diretor Licínio Azevedo recebeu, com este filme, o seu terceiro prémio de Melhor Diretor de Ficção.  Já havia recebido o mesmo prémio no 38º Festival Internacional de Cinema do Cairo e no Festival Africano de Khouribga em Marrocos.   O longa também conquistou o  Tanit  de  Ouro  para    Melhor  Longa-Metragem  de  Ficção  no  Festival  de  Carthage,  na  Tunisia,  onde  também  recebeu  o  prémio  para  Melhor  Imagem,  o  Prémio  da  Federação  Internacional  de  Críticos  de  Cinema  e  o  da  Federação  Africana  de  Críticos  Cinematográficos.  No Festival de Cinema de  Johannesburg  foi  premiado  como  o  Melhor  Filme  e,  na  sua  estreia  internacional,  no  Festival  de  Locarno,  um  dos  mais antigos  e  importantes  do  mundo,  foi  o  grande  vencedor  do  Prémio  da  Crítica  Independente  italiana,  o  Boccalino  d'Oro,  na  categoria  de  melhor  produção,  "por  ser  um  filme  que  assinala  a  capacidade  que  o  cinema  africano  tem  de  enamorar  o  grande  público"  (Ticino  Today). 

Sinopse: O longa "Comboio de Sal e Açúcar" é baseado no livro homônimo do diretor. O filme se passa em Moçambique, em plena guerra civil, onde um trem, que liga Nampula (província do Norte de Moçambique junto ao oceano Indico) ao Malawi, atravessa uma perigosa zona de guerra. Esta viagem é a única esperança para centenas de pessoas dispostas a arriscar a própria vida numa viagem para garantir sua subsistência, indo trocar sal por açúcar no país vizinho. Trafegando por trechos da linha de trem completamente sabotados, a jovem enfermeira Rosa, que está a caminho de um hospital onde irá trabalhar, conhece o Tenente Taiar, que tem como missão conduzir todos a salvo. Uma estória de amor em tempos de guerra a bordo de um comboio de mercadorias, que leva além de pessoas, sonhos.

 

Sobre o Diretor: Licínio Azevedo é cineasta e escritor, nascido em Porto Alegre, Brasil, mas vive há mais de 30 anos na África. Faz parte da geração formada no Instituto Nacional de Cinema de Moçambique após a independência do país, com a intervenção de diferentes professores, como Godard, Ruy Guerra e Jean Rouch. No cinema alterna-se entre documentários e ficção. Um de seus livros, sobre a guerra civil, serviu de base para o primeiro longa de ficção no país, "Tempo de Leopardos". Já realizou cerca de 40 filmes. Seu filme anterior, de ficção, "Virgem Margarida", foi selecionado em mais de 15 festivais internacionais e com mais de 10 prêmios recebidos.

 

LANÇAMENTO 07/06/18
 
SÃO LUIZ/MA - CINE LUME
ARACAJU/SE - CINE VITÓRIA
SALVADOR/BA - SALA DE ARTE/ ORIENT FILMES 
 
NITERÓI/RJ - RESERVA CULTURAL
 
PALMAS/TO - CINE CULTURA DE PALMAS
 
RIO DE JANEIRO/RJ - ESTAÇÃO 
 
SÃO PAULO/SP - ITAÚ CINEMAS
 
PORTO ALEGRE - ITAÚ CINEMAS BOURBON
 
CURITIBA - ITAÚ CINEMAS CRYSTAL SHOP
 
BRASILIA - CINE LIBERTY
 
GOIÂNIA - CINE LUMIERE 
 
FLORIANÓPOLIS - MULTI OPEN SHOPPING
 
 
LANÇAMENTO 14/06/18
 
MOSSORÓ/RN - MULTICINE
 
MANAUS/AM - CASARÃO DE IDÉIAS
 
 
LANÇAMENTO 21/06/18
 
RECIFE/PE - CINE SÃO LUIZ
 
MACEIÓ/AL - CINE ARTE PAJUÇARA
 
 
 LANÇAMENTO 28/06/2018
 
VITÓRIA/ES - CINE SESC

 

FICHA TÉCNICA

Direção: Licinio Azevedo

Roteiro: Licinio Azevedo e Teresa Pereira

Produção: Ukbar Filmes

Coprodução:  Les Films de l'Étranger, Urucu Media, Ebano Multimídia e Panda Filmes

Distribuição: Livres Filmes

Fotografia: Frédéric Serve

Montagem: Willem Dias

Direção de Arte: Andree du Preez

Edição de som: Kiko Ferraz 

Música: João Carlos Schwalbach

Elenco: Matamba Joaquim, Melanie de Vales Rafael, Thiago Justino, António Nipita, Sabina Fonseca

Ano: 2016

Duração: 96 min

Classificação etária: 12 anos

Última atualização em Qua, 30 de Maio de 2018 09:56
 

Santos Dumont - Mais leve que o ar

Santos Dumont: Mais Leve que o Ar - HBO

                                            

 

A HBO Latin America divulga as primeiras imagens de SANTOS DUMONT: MAIS LEVE QUE O AR, uma coprodução com a Pindorama. Na minissérie composta por seis episódios, o ator João Pedro Zappa interpreta Dumont em idade adulta.

Ambientada na França e no Brasil do fim do século 19 e início do século 20, a produção retrata a história do homem que personificou o glamour da virada do século e a façanha de ter sido o primeiro homem a voar em um avião.
SANTOS DUMONT: MAIS LEVE QUE O AR é produzida por Roberto Rios, Eduardo Zaca, Paula Belchior, Patricia Carvalho e Rafaella Giannini, da HBO Latin America Originals, e Estevão Ciavatta e Susana Campos, da Pindorama, com recursos da Condecine – Artigo 39. A direção é de Fernando Acquarone e Estevão Ciavatta, que também dirigiu a série exclusiva da HBO, PREAMAR. Com roteiro de Pedro Motta Gueiros e Gabriel Mariani Flaksman, a série será distribuída com exclusividade pela HBO Latin America.
 
 
dumont 3
João Pedro Zappa vai interpretar Santos Dumont
 
 
Santos Dumont 396x222
Santos Drumont terá réplicas retratadas em série
 
 
Dumont 1
Primeira coprodução de uma minissérie histórica produzida pela HBO
 
 
Sobre HBO Latin America
A HBO Latin America é a rede de televisão por assinatura premium líder na região, respeitada pela qualidade e pela diversidade de sua programação, incluindo séries, filmes, documentários e especiais originais, além da exibição de séries exclusivas e de alguns dos mais recentes blockbusters de Hollywood, antes de qualquer outro canal premium. A programação é exibida em HD em mais de 40 países da América Latina e do Caribe por meio dos canais HBO, HBO2, HBO Signature, HBO Plus, HBO Family, HBO Caribbean, MAX, MAX Prime, MAX UP, MAX Caribbean e Cinemax. Seu conteúdo também é oferecido em outras plataformas, como a HBO GO e HBO On Demand.
Última atualização em Seg, 14 de Maio de 2018 17:45
 


Página 1 de 53
Copyright © 2011 Acontece Curitiba. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por LinkWell.